Notícias

Despertando a Consciência

Despertando a Consciência

DESPERTANDO A CONSCIÊNCIA


Desperta ó tu que dormes e levanta-te de entre os mortos, que o Cristo te iluminará.

Efésios 5:14


O ser humano encontra-se em um processo contínuo de experiências, que em essência visam despertar o seu potencial divino. Herdeiro de Deus, o seu psiquismo encontra-se repleto de possibilidades que ainda são desconhecidas, exatamente porque encontram-se dormentes em seu interior, aguardando o devido despertamento para que possa expressar a iluminação desses potenciais.

Ao analisar a passagem do apóstolo dos gentios, somente conseguiremos compreendê-la em profundidade no seu simbolismo divino, se partirmos da perspectiva do ser humano como um ser espiritual e imortal.

Paulo, seguramente, não se referia a corpos que se levantariam depois de mortos. Mas sim do despertamento de valores internos, por meio da atenção, da conscientização e da criação de um ambiente íntimo propício a isso.

Em O livro dos espíritos, questão 919, Santo Agostinho ensinou que, para o ser humano se aperfeiçoar nesta vida, o meio prático mais eficiente, seria pelo conhecimento de si mesmo.

Isso porque o autoconhecimento é o meio capaz de retirar a criatura do adormecimento da sua consciência e da inércia espiritual, para o despertamento dos seus potenciais divinos.

Então entendemos que o processo de evolução do ser, ocorre sempre da inconsciência para uma consciência cada vez mais ampla.

Por isso a reflexão atribuída a Léon Denis que diz que: a Alma dorme na pedra, sonha no vegetal, agita-se no animal e acorda no homem.

E mesmo na perspectiva do ser humano, encontraremos diferentes níveis de entendimento e de consciência, que demonstram diversos graus de conquistas.

Desta forma, não seria bom senso exigir de ninguém a expressão de atitudes que não sejam condizentes com seu estágio atual de desenvolvimento. Assim, a realização e a conquista de um estado de despertamento interior se dará por meio das experiências que se vive, mas principalmente com o aproveitamento dessas experiências.

OS QUATRO NÍVEIS DE CONSCIÊNCIA

Joanna de Ângelis, citando Robert S. de Ropp e Gurdieff, em sua obra O ser consciente, no capítulo “Conquista de si mesmo”, fala dos diversos níveis de consciência do ser.

Por isso, em uma análise e entendimento mais profundo, e na visão da espiritualidade superior, dormir simboliza o estado de anestesiamento do ser, que encontra-se distraído da vida espiritual, ignorando os reais valores e demonstrando a incapacidade da compreensão da vida.

Robert S. de Ropp, bioquímico que estudou os estados da consciência, e ampliou os trabalhos de Gurdieff, fala que os níveis de Consciência são quatro.

Com isso, também compreendemos que existem diferentes estágios de maturidade espiritual, que podem ser percebidos pela forma como cada um usa do seu livre-arbítrio. Portanto, de modo didático, temos:

A CONSCIÊNCIA DE SONO SEM SONHOS

A CONSCIÊNCIA DE SONO COM SONHOS

A CONSCIÊNCIA DESPERTA

A CONSCIÊNCIA CÓSMICA

A CONSCIÊNCIA DE SONO SEM SONHOS
 

É o estado inicial e primário da consciência. Nela predominam o automatismo nas ações e as paixões primárias do ser. Não há o conhecimento ou a identificação com a realidade espiritual. A criatura escolhe as experiências grosseiras, para buscar o prazer ao invés da felicidade, e encontra resultados que o perturbam ainda mais.

Há a busca e o atendimento das necessidades sensoriais, as quais ainda está muito apegado. Não demonstra atração e nem interesse para o que é belo, bom e nobre.

Nesta fase, quando o ser vivencia o sofrimento, age com revolta e não aceitação, demonstrando uma ausência de compreensão do que representam essas experiências perante a vida e o ser espiritual que é.

Mas o despertamento da consciência é um processo lento e gradativo e faz parte do processo de evolução natural do ser. E, por meio das várias encarnações, o sofrimento se apresenta como recurso natural que sacode o Espírito, para auxiliá-lo no despertamento de seus potenciais.

CONSCIÊNCIA DE SONO COM SONHOS
 

Nesse estágio, já ocorre uma certa percepção e sensibilidade para os valores nobres da vida. Quando diante de exemplos no bem já se é capaz de achar interessante a proposta e por vezes até comenta. Mas como os valores são ainda muito insipientes, ainda não consegue fazer o movimento que demonstre atitudes condizentes com a compreensão e entendimento desses valores na sua vida.

É um comportamento típico de criaturas que até buscam conhecimentos no campo da religiosidade, mas ainda não veem a possibilidade da aplicação desses conhecimentos em suas vidas.

Encontram-se ainda muito presas ao egoísmo e comodismo para se disporem a doar seu tempo e possibilidades em prol da coletividade.

Vamos entender que a conquista de um nível superior de consciência se dá mediante os esforços empreendidos para despertar, e para perceber os valores que estão sendo desperdiçados pelas distrações, referentes a tudo aquilo que impede o foco da conexão com os valores reais de Espírito imortal que se é. 

Mas as reencarnações são sucessivas e cumprem o seu papel onde, gradativamente, a pessoa vai ficando saturada dos fatores distratores aos quais se apega e, aos poucos, vai se conscientizando do tempo perdido. Surge então a aspiração por uma vida diferente que envolva novos valores.

E assim, na vida, as experiências das provas e das expiações vão agindo para que o ser desperte o seu potencial divino.

A criatura é herdeira de Deus e traz em sua consciência uma bússola, que a auxiliará no encontro com a felicidade real, aquela que se dá mediante uma consciência tranquila que advém das atitudes pautadas na vivência das leis divinas.

É natural a imperfeição do espírito nas fases iniciais, mas é também transitória. E, em essência, todas as experiências da vida conspiram para o seu despertamento, já que elas podem sempre ser aproveitadas para o seu aprendizado e crescimento.

CONSCIÊNCIA DESPERTA


A pessoa que despertou a consciência, tem mais clareza sobre o que fazer e como agir. Compreende a necessidade de continuar se conhecendo e, por isso, se esforça com mais vontade rumo ao desenvolvimento que se dá também pelo trabalho no bem.

Ela se reconhece como alguém que possui imperfeições que precisam ser lapidadas, mas também já é capaz de reconhecer as próprias conquistas e aproveitar as possibilidades, abraçando os deveres no bem de forma consciente.

A pessoa que tem a consciência desperta, é alguém que já se percebe como um ser espiritual e sabe que o seu desenvolvimento se dará na continuidade do esforço de ser melhor.

Ela busca o autoconhecimento como uma prática incorporada ao seu desenvolvimento, e já tem a determinação pessoal associada à vontade. É um indivíduo maduro com ideais superiores presentes em suas atividades.

Tem uma compreensão superior e, por isso, aceita o sofrimento como uma circunstância passageira, necessária e natural no próprio processo de depuração espiritual, sabendo que é um ser imortal.

CONSCIÊNCIA CÓSMICA


No nível de consciência cósmica, encontramos os seres que já realizaram grandes conquistas no campo do sentimento e da inteligência. Tem total compreensão da vida e do papel que devem desempenhar. Quando encarnados, esses são os verdadeiros missionários, aqueles que são capazes de auxiliar em muito toda a coletividade com o avanço que promovem e com os exemplos que oferecem. Vivem em paz, expressando sua herança divina, porque já vivem no clima do amor que é a estação afetiva que conquistaram para si. São modelos verdadeiramente saudáveis a serem seguidos.


DESPERTAR E TRABALHAR

O benfeitor espiritual Emmanuel na sua obra Fonte viva, cap. 66, diz que: Há muitos irmãos de olhos abertos, guardando, porém, a alma na posição horizontal da ociosidade. É preciso que os corações despertos se ergam para a vida, se levantem para trabalhar na sementeira e na seara do bem, a fim de que o Mestre os ilumine.

Isso porque, na atualidade planetária, milhares de criaturas nascem e morrem no mundo, mantendo-se ainda adormecidas em suas consciências. Mas o despertamento vai se dando pela mudança de atitudes na vida cotidiana, e pelo trabalho que se dispõem a fazer.

Por isso, o convite se estende a todos.

E os que vão despertando a consciência, gradativamente vão assumindo responsabilidades perante a coletividade e se fortalecem, tanto pela execução de obras no bem, quanto pelos seus exemplos de esforço e de crescimento, ajudando no despertamento dos que dormem.


Rodrigo Ferretti 

Rodrigo Ferretti
Últimos posts por Rodrigo Ferretti (exibir todos)