#livrosquetransformamvidas

felicidade

Felicidade e Merecimento

Referenciando o título do capítulo 36 do Livro Para Sentir Deus de Ermance Dufaux, psicografia de Wanderley Oliveira, vamos falar hoje sobre felicidade e merecimento. Afinal todos nós queremos ser felizes.

E, sim, é possível fazer com que a felicidade faça parte de nossas vidas, neste planeta Terra, mesmo com todas as lutas e contratempos que encontramos pelo caminho.

felicidade absoluta do espírito está, realmente, reservada aos mundos ditosos. Entretanto, cada um de nós encontra recursos, potencialidades, experiências afetivas e de variadas naturezas para realizar as metas que traçamos para nossas vidas.

E todas estão em concordância com nossa capacidade. Não faltam motivos e atitudes que nos trazem paz e consequentemente
bem-estar e alegria reais na alma.

Afinal, basta perseverar, pois quem assim o faz, será salvo¹.

[1] Mateus; 24:13 – “Mas aquele que perseverar até ao fim será salvo.”.

FELICIDADE É MERECIMENTO INDIVIDUAL

Cada um de nós possui um roteiro de desafios pessoais conforme suas necessidades e de acordo com a lei de retorno. Assim nos fala o Cristo, em João 5:9², pois do macro ao microscópio universo, tudo obedece à colheita de semeadura prévia. 

Se queremos, e nos julgamos merecedores de sermos felizes, é preciso começar a rever nossas atitudes e falas, a fim de percebermos se realmente estamos sendo bons agricultores, escolhendo e semeando boas sementes, que virão a nos trazer paz e felicidade no futuro.

Mas sem falarmos só em vidas futuras, para que isso se reflita em nós o mais breve possível, devemos cuidar das causas atuais das nossas aflições.

Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará”. Gálatas; 6;7

[2] “E os que fizeram o bem sairão para a ressurreição da vida; e os que fizeram o mal, para a, ressurreição da condenação”. — Jesus.

O QUE PODEMOS FAZER ENTÃO?

Existem vários caminhos para construirmos a felicidade tão desejada. Vamos citar alguns, que já podemos começar a colocar em prática:

  1. A superação das culpas: Essa emoção é útil até um certo ponto, pois ela tem a importante função de nos mostrar os nossos erros, afim de que não os repitamos, nos levantemos das nossas quedas limpando a poeira dos desgostos.

    Ela passa ser tóxica³ quando resvalamos para o remorso, que gera a doença do não merecimento e da apatia e que drena toda a nossa vitalidade. Ao nos julgarmos pequenos ante a vida afastamos a energia da prosperidade.

    É preciso adotar a atitude do arrependimento, da conversão do caminho, como assevera Jesus quando se apresentou a João, o Batista[4], adentrando às águas do batismo. É uma bela metáfora. O arrependimento tem o efeito de um banho em nosso ser. Somente assim o Reino dos Céus encontra um ambiente limpo, o nosso mundo íntimo, amanhecendo ao sol da esperança que gera alegria legítima e duradoura na alma.

  2. O perdão incondicional: Está na oração do Pai Nosso[5] e o Mestre não nos ensinou este recurso apenas por se tratar de belas palavras ou de um belo ideal a ser atingido. 

    É um exercício necessário e altamente meritório para nos introduzir num universo de paz, pois ressalta um caráter divino, presente em cada filho de Deus, como herança e potencialidade. Esse recurso precisa ser vivido a fim de que alcancemos também o perdão das nossas ofensas, uma vez que está total e inteiramente vinculado à lei de retorno expressa pelo Cristo:

    “…embainha tua espada, pois quem com ferro fere, com ferro será ferido.”[6]

    ​Quem aprende a perdoar, recebe da vida perdão, compreensão e auxílio dos encarnados e dos desencarnados, a fim de superar as dores que o crescimento e a evolução determinam à criatura que almeja o mais, o belo e o bem. Esse é o amor que cobre a multidão dos nossos erros.*[​7] 

  3. O desapego aos bens e aos afetos: Afinal, tudo na vida é um empréstimo e provisionamento da Divina Providência. Ninguém nos pertence, todo mal passa.

    E tudo na vida também passa, inclusive situações favoráveis, que mudam por força das circunstâncias, dos imprevistos ou das renuncias que cada um precisa fazer.

    Apenas o bem conquistado, como virtudes, fica permanente no arquivo de nossas experiencias. 

    Ninguém pode fazer a felicidade do outro ou ser responsável por ela. 

    A felicidade é o resultado de uma escolha, é determinada pelo nosso modo de viver a vida e de nos posicionarmos ante tudo e a todos.

    Não somos vítimas de ninguém, a não ser de nós mesmos.

  4. A consciência tranquila: Fazer o bem, evitar a maledicência, mental e verbal, agir com respeito e tolerância frente ao irmão que caminha ao nosso lado, afinal não somos perfeitos, mas perfectíveis. Todos ainda erramos, tentando acertar. E é isso que nos faz dignos.

    Não temos controle sobre o que a vida e os outros nos trazem, a não ser sobre a forma como reagimos, falamos ou nos relacionamos, desde que estejamos atentos ao que estamos irradiando para o mundo. A nossa sombra sempre passa sobre alguém. É preciso estarmos atentos se ela não está obstruindo o sol da vida para o outro. Se estiver, precisamos rever nossas atitudes, para que, ao deitarmos à noite sobre nossos travesseiros, a cabeça não pese sobre nossos ombros.

  5. Amar o trabalho: O trabalho é movimento, é luz desfazendo as trevas da ignorância, promovendo o progresso da humanidade. Por mais humilde que seja, é expressão do Pai em nós. Ele trabalha e cria incessantemente, inclusive através de cada um de Seus filhos.

    E se somos d’Ele herdeiros à imagem e semelhança, amor ao trabalho é revelação da divindade em nós, pois o Pai é todo amor, todo luz e todo bondade. Ama tanto Sua obra e Seus filhos, que em cada filho Seu, colocou uma parte de Si, dando-lhe poder e recursos plenos de ser feliz.

[3] Capítulo 2 – Emoções tóxicas e obsessão – do livro, Fala Preto Velho, de Pai João de Angola, psicografia de Wanderley Oliveira, página 42, parágrafo cinco.
[4] Mateus; 4:17 – “Desde então começou Jesus a pregar, e a dizer: Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus.”.
[5] “Perdoa as nossas ofensas, assim como perdoamos a quem nos tem ofendido”
[6] Mateus; 26:52.
[7] 1 Pedro; 4:8 – “Mas, sobretudo, tende ardente amor uns para com os outros; porque o amor cobrirá a multidão de pecados.”.

Existem muitos outros percursos disponíveis, que poderíamos citar e elaborar para trilharmos e cuidarmos de nossa felicidade. Mas, por hora, o mais importante, e que podemos realizar, como “aprendizes de ser feliz”, é nos dedicarmos suave, fraternal e humildemente ao que já podemos realizar, sem nos exigir algo, uma atitude ou qualquer coisa que ainda não damos conta.

É preciso ter paciência com nossos passos e respeitarmos nossos limites. Ainda não somos capazes de ser tão bons como gostaríamos. O importante é continuar a seguir no caminho proposto de auto iluminação, aceitando que estamos sujeitos a tropeços e quedas, mas que também possuímos recursos para sermos felizes.

Ricardo Gruppioni

Compartilhe esse post

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram

Veja outros posts que podem lhe interessar

curar com jesus

Curar com Jesus

Sempre é bom, e necessário, recordar nosso Mestre e Suas lições. Temos muito o que aprender com Ele, basta prestarmos bastante atenção às Suas palavras,

Leia mais »
Adriana Machado Jovem Médium

Um Jovem Médium

“UM JOVEM MÉDIUM”, UMA MENSAGEM DE FÉ Chamo a todos para conhecerem, nestas linhas, um pouco da história trazida pelo autor espiritual, como também os

Leia mais »
cruzada vida Edgard Armond

Nas cruzadas da vida

Pelo Espírito Edgard Armond[1] Quase no final do período das Cruzadas, quando as expedições militares para o pró-cristianismo já estavam se rareando, um rapaz europeu

Leia mais »